quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

PRP (Plasma Rico em Plaquetas) e seu uso



O concentrado plaquetário (PRP) é um plasma com alta concentração de plaquetas. As plaquetas são fragmentos de células muito importantes no nosso organismo, como no reparo da pele.
O PRP é obtido num processo rotineiro de laboratório: colhe-se o sangue venoso do paciente,  separa-se a parte líquida deste sangue, interrompendo o processo de coagulação, e então separa-se o plasma.  Com sucessivos processos de centrifugação obtem-se um plasma cada vez mais rico em plaquetas.  Este plasma  tem uma grande capacidade de desinflamar e cicatrizar os tecidos com os quais entrará em contato.

Apesar de não conter células tronco, que são as estrelas principais dos processos de cicatrização,  o PRP contém substâncias que são produzidas pelos leucócitos que têm a capacidade, em órgãos com alguma deficiência, de atrair células tronco circulante (em pequena quantidade).
Muitas pessoas relacionam o funcionamento da auto-hemoterapia(AHT) com o PRP, pois bem, existem indícios de que a auto-hemoterapia(AHT) e o PRP teriam a capacidade de atuar nos mecanismos de imunidade inata, ou seja, aumentar a produção de macrófagos, que são células importantes no mecanismo de defesa do organismo. O macrófago é a sentinela, ele está presente em todos os tecidos. Partindo dessa premissa, com a ativação dos macrófagos, todos os tecidos seriam beneficiados, inclusive os tecidos cerebrais.
Tanto a AHT assim como o PRP, podem ser associadas a outros recursos terapêuticos, como o ozônio. No tocante a a AHT existem duas técnicas principais: a maior e menor. Neste segundo caso, que em geral é feito em crianças, é necessário um volume menor de sangue que, posteriormente, pode ser ativado com ozônio. Assim se teria o efeito sinérgico, com o sangue ativando o sistema imune com o efeito do ozônio aliado a ele.

O princípio do PRP é atuar como anti-inflamatório natural do organismo. Ele é obtido do seu próprio corpo, então a chance de rejeição é praticamente zero.
 Ele é reinjetado no paciente na área afetada no sentido de reparar aquele tecido que está lesado.  Toda vez que há uma injúria tecidual, ocorre o processo inflamatório e logo após existe o reparo do dano tecidual, mas em algumas pessoas, como crianças autistas, essa inflamação não cessa, se torna crônica, o que acontece nas doenças inflamatórias, bem como em asmas e doenças do intestino. O PRP atua com as suas plaquetas concentradas, com seus fatores de crescimento que vão estimular o reparo do dano e a proliferação de novas células e acelerar o processo de reparação desses danos.
Quando se colhe o sangue de um paciente, ou se separa o plasma, ou se administra o sangue total, retira-se uma fração pequena do antígeno que está circulando no sangue e provocando o processo inflamatório. Ao reinjetar este antígeno (na amostra de sangue), você dessensibiliza o organismo. Administrar uma dose pequena do antígeno rotineiramente, o PRP ou a AHT, teria uma função de vacina, no sentido de dessensibilizar o organismo. Este é um raciocínio acadêmico e ainda não há estudos que o comprovem, mas há grandes indícios de que seja verdade.
Existem diferenças consideráveis entre o PRP e a AHT. Enquanto o PRP é o uso do plasma ativado com plaquetas, a AHT é simplesmente a coleta do sangue venoso (sangue total), que logo em seguida é administrado por via intramuscular contendo todas as células e plaquetas. Entre as duas terapias tem-se efeitos similares, já que se utiliza um tecido liquido (sangue), no caso do PRP parte do tecido (que é o plasma ativado) e da AHT, o sangue total, que é reinjetado no paciente para obter-se uma resposta imune por parte do organismo, no sentido de imunomodular, controlando o sistema imune e interrompendo determinados processos inflamatórios crônicos que estariam prejudicando o organismo.
É importante salientar que não há contra-indicações severas conhecidas no uso do PRP, porém vale lembrar que o processo do PRP consiste em plaquetas ativadas que contêm fatores de crescimento que estimulam a proliferação celular. O câncer, como uma doença com proliferação celular de células defeituosas, não tem indicação de uso do PRP. Lembrando sempre que devemos tomar cuidados específicos que devem ser adotados em todos os procedimentos invasivos de coleta de sangue e de manipulação desse sangue.

PRP (Plasma Rico em Plaquetas) e AHT (Auto Hemoterapia) no autismo

Há diferenças consistentes entre a Auto Hemoterapia (AHT) e o Plasma Rico em Plaquetas (PRP). O primeiro tem como principais objetivos  estimulação, ativação de macrófagos e efeito vacinal, e o segundo,  regeneração, reparação e desinflamação .
Para aplicação no autismo observa-se muitas melhorias na junção de AHT e PRP. Em crianças muito alérgicas, a associação dos dois tratamentos tem mostrado excelente resposta. Simone Gusso, optou por realizar 4 AHT e intercalar o PRP como um protocolo funcional em crianças com autismo.
Ainda para crianças com algum problema intestinal, é importante inferir que clinicamente observa-se grande melhora, mesmo nas crianças com clostridium. A maioria das crianças com autismo tem muita inflamação intestinal e disbiose. No PRP, as células ativadas seriam guiadas para a área lesionada. O PRP tem atividade para inflamação e infecção. A  AHT menor é utilizada para regeneração, reparação e desinflamação dos tecidos e a maior, para artrites e artrose.
O PRP pode ser feito, também, com células tronco adultas. É uma das ativações que podem ser utilizadas nos tratamentos que forem indicadas pelo médico que acompanha a criança ou adulto.
Um indivíduo intoxicado com metais pesados ou disbiose, não seria adequado para iniciar ou continuar o tratamento, pois não se perceberia os ganhos. Nestes casos, pode ser indicado pelo médico, por exemplo, iniciar a quelação, MMS ou outro tipo de desintoxicação, antes de se iniciar os tratamentos com o PRP ou AHT,  para que o tratamento seja realizado integralmente.
Existem alguns tipos de protocolo para o uso da AHT, mas deve-se respeitar as necessidades de cada indivíduo. O protocolo do Dr. Luiz Moura preconiza 4 AHT, pausa, 4 AHT. Seriam 8 sessões de AHT, de 7/7 dias sendo 4 semanas de pausa. Após um ciclo de 8 sessões uma vez por semana, seguindo as indicações médicas (alta ou baixa e intervalos), é prudente refazer os exames para observar ige, hemograma, etc. para observar a necessidade e indicação de novos ciclos.
Há importantes alertas no uso dos tratamentos supracitados, principalmente no que diz respeito ao uso de imunomoduladores como Ascaridil, já que a AHT e o PRP são imunoestimuladores. Portanto é sempre importante consultar o seu médico e manter boas relações entre os tratamentos associados que são utilizados.
Estes tratamentos podem ser utilizados em diversos casos, como: Alzheimer, doenças auto-imunes, artrites, artroses, autismo, e outros. Saliento, novamente, que é importante consultar o seu médico para que ele possa indicar o melhor protocolo para esta ou aquela patologia.
Também existem associações de tratamentos que ajudam nos resultados, como o PRP e o ilib, pois o segundo atua como assistente no quadro de imunomodulação e aumenta cd34. Pode-se intercalar PRP e AHT com ozônio em casos de diarréia, por aumento da flora proteolítica ou clostridium, que causam  disbiose intestinal, devendo-se avaliar o caso a caso em todas as situações.

IMPORTANTE: O Santa de Casa Faz Milagre não encoraja o tratamento caseiro sem indicação médica. É de suma importância que haja acompanhamento de um especialista no tratamento de quaisquer patologias.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Café com Conhecimento: Conversa com Manuel Cátedra

Este é um Café com Conhecimento muito especial. Nesta edição recebemos Manuel Cátedra, falando sobre o MMS no tratamento do autismo.




Conheci o MMS em 2009 e li o primeiro livro do mestre Jim Humble quando estava iniciando o trabalho com terapias alternativas.
Desde então aprendi e conheci melhor sobre o assunto, e acompanhei as primeiras curas que tivemos com autismo. Desde 2013 tenho morado no Brasil, onde tenho ensinado a terapeutas como usar o MMS.
Acompanhei a escritura do novo livro do Jim Humble "MMS Health Recovery Plan" onde Jim ensina e explica o uso do MMS, baseado nos 20 anos de experiência.
O MMS é algo que muda a vida das pessoas, e vale a pena conhecer.

ENTREVISTA COMPLETA

Popularmente o Mms é relacionado com o tratamento de situações diversas, como câncer, autismo, viroses... Poderia explicar o mecanismo?
O MMS é um oxidante, o efeito dele é pela oxidação, é uma solução de clorito de sódio, que quando reage com um ácido ele rouba o sódio e produz o dióxido de cloro, que tem um poder oxidativo mais baixo que o oxigênio, conseguindo ir além de onde o oxigênio chega. Não sendo tão reativo quanto o oxigênio, é mais reativo com o PH ácido, reage melhor geralmente onde está o tecido com condição e saúde piores, com PH mais ácido. Então o MMS funciona no processo de limpeza do organismo.
Dizem que o MMS é cloro, e é verdade. Porém não pode se confundir com hipoclorito de sódio (água sanitária).

Qual a razão da adoção de uma dieta sem açúcar quando do uso do Mms?
Não precisa de uma dieta sem açúcar quando se usa o MMS. O açúcar branco e refinado não faz bem para a saúde de um modo geral, mas não interfere no protocolo de MMS.

Qual é a teoria de base para uso do Mms no autismo?
Eu entendo que o autismo é uma intoxicação, as crianças com autismo estão muito intoxicadas, principalmente por metais pesados, parasitas, microbióticos prejudiciais, então o MMS age como um “limpador de terreno”, entenda-se por terreno o corpo humano, e o MMS vai limpando todo esse terreno.

Existe contraindicação para uso do Mms?
O MMS sendo usado da forma como ensinou Jim Humble e alguns outros da mesma linha, não tem efeitos prejudiciais, não tem efeitos tóxicos, mas precisa ser usado com cuidado. Se usado em doses muito grandes pode ser prejudicial, provocando diarreia, vômito e náusea, e para evitar esta situação é necessário iniciar com doses pequenas. De acordo com a idade, histórico de saúde e recomendações é preciso avaliar as quantidades de início, sempre em dosagens menores. Jim Humble relata casos extremos com início de tratamento com 1/8 de gota.
É importante perceber que o MMS em si não tem contraindicações. Funciona para problemas crônicos, como Hipertensão, fluição de sangue, Hiper ou Hipoglicemia, inflamações. Para pessoas que tem esses tipos de problemas de saúde, é necessário observar a interação dos medicamentos com o MMS, analisando a necessidade da dosagem inicial desses medicamentos controlados após certo tempo de protocolo.

Crianças com problemas gastro intestinais podem fazer uso do Mms?
Sim, claro. As crianças autistas são um exemplo de crianças com problemas gastrointestinais.

Além de ser uma terapia bioxidativa, existe mais algum efeito do Mms que o indique como coadjuvante no tratamento do autismo?
Eu entendo ele como um purificador pela oxidação. Acredito que todos os seus efeitos são a partir daí.

Quais suplementos devem ser evitados durante o uso do Mms?
Os suplementos antioxidantes devem ser evitados, principalmente aqueles com Vitamina C, que anula o MMS. O MMS se toma com água, não com café, sucos ou chás que contém antioxidantes.

Quais alimentos devem ser evitados durante o tratamento com Mms?
É importante evitar alimento que são muito antioxidantes como o suco de laranja.

É possível associar Mms e ozônio?
Eu não tenho muito conhecimento da ação do ozônio, mas o MMS é muito poderoso para muitas situações, então não usaria. E não tenho conhecimento da associação dos dois.

É possível associar Mms com quelação AC, usando Ala que é um antioxidante?
É possível associar com quelantes, mas não ALA, já que é um antioxidante e eles acabam por se anular.
O Mms mata células mais fracas?
Se por células mais fracas entendemos as células cancerígenas, acreditamos que sim. E se entendemos como micróbios, bactérias, fungos, o MMS também pode destruir a grande maioria dessas células que não contém nosso DNA.

O Mms isoladamente pode acabar com vermes uni e pluricelulares?
Unicelulares, com certeza. Com pluricelulares depende do tempo e da concentração, a partir de suficiente tempo e contração, sim. Mas é mais difícil eliminar vermes pluricelulares com MMS com ingestão oral, pois é muito difícil que se chegue concentração suficiente a estes vermes. Já se aplicado através de ENEMA se torna mais fácil, pois chega suficiente concentração de dióxido de cloro o que permite que saiam muitos vermes.

Qual a diferença entre o protocolo da Kerry e Gregório? Qual o mais eficaz no autismo?
A principal diferença é que a Kerry ensina a preparar o MMS da mesma forma que o Dr. Jim Humble, que é a mesma forma que eu passo o protocolo, misturando-o com água e tomando. Já o Gregório ele acha melhor tomar o clorito de sódio sem ativar com uma bebida ácida, deixando que a ativação aconteça dentro do estômago.
Os dois tem demonstrado ser eficazes. Os dois protocolos têm sido mudados, não são fixos. A Kerry e o Gregório são guias, eles estão fazendo um trabalho de acompanhamento das famílias para a cura do autismo de acordo com produtos que eles acham melhor. O mais eficaz é os pais que fazem uso do MMS façam o protocolo de forma disciplinada, com paciência. Não é um ou outro, os dois funcionam desde que sejam feitos com disciplina.

O efeito do Mms só funciona se usar continuamente ou posso usar mês sim, mês não?
O MMS pode ser usado com intervalos. Não é um protocolo rígido que deverá obrigatório. O pouco que usar vai dar resultados, mas pode ser que não seja o suficiente para determinada situação. Quanto mais continuado e constante o uso do MMS melhor os resultados, mas se usar somente um pouco, vai ter só um pouquinho de efeito.

Qual a importância do uso do gcmaf após o uso do mms? Poderia ser usado antes ou junto do mms?
O GCMAF é diferente do MMS, e pode ser usado independentemente, antes ou depois do MMS. Não tenho muito conhecimento sobre ele, e estou conhecendo agora. Ele funciona a níveis diferentes, melhorando a imunidade, se usar o MMS, que tem um bom efeito, juntamente com GCMAF pode obter resultados muito superiores, mas ainda assim são independentes. O GCMAF tem tido bons resultados no tratamento de câncer e autismo, a diferença entre eles é que o GCMAF é muito caro e o MMS tem um valor irrisório.

Qual a razão de se associar mebendazol no tratamento com Mms?
O mebendazol é desparazitante. O uso deles é independente. A associação é usada porque se quer uma desparasitação mais rápida. Mas o protocolo é usado sem uma relação direta, cada um tem o seu efeito particular.

Qual o propósito do uso de água do mar junto ao Mms?
A água do mar tem efeitos próprios sem o uso do MMS, são independentes. Como o MMS elimina metais pesados através da oxidação tem alguns que acreditam que o MMS pode retirar alguns minerais do corpo e a água do mar repõe os minerais, pode ser que seu uso tenha esta significância, mas eu não acredito que o MMS tenha efeito desmineralizador.
A água do mar tem efeitos impressionantes para a saúde, então, por exemplo, se estamos tratando uma doença crônica com MMS para limpar o corpo de forma mais rápida, e agua de mar para ter um efeito sustenido em nutrientes e desintoxicantes, claro que teremos resultados mais significativos, mas não há a necessidade de utilizar os dois juntos.

Qual o princípio que justifica classificar o Mms como quelante?
Nenhum, o MMS não é um quelante. O MMS ajuda eliminar metais pesados pela oxidação e não pela quelação. O MMS oxida metais, então esses metais se tornam muito menos tóxicos e o corpo elimina de forma muito mais fácil.

O Mms quela mercúrio?
Não, ele oxida, e por efeito da oxidação ele ajuda o corpo a eliminar o mercúrio, mas não pela quelação e sim pela oxidação.

Por quanto tempo pode-se usar o Mms sem colocar o corpo em risco, especialmente em crianças?
Eu não sei te responder esta pergunta precisamente, porque não temos visto efeitos prejudiciais depois de um tempo. Provavelmente pode-se usar por tempo indeterminado, pelo menos em quantidades moderadas.
O MMS é difícil de usar por seu sabor. Requer disciplina e constância. Então quando a pessoa não sente muitos benefícios pode diminuir a dose. Eu nunca soube de malefícios causados pelo uso de MMS, somente benefícios.

É possível associar antioxidantes ao uso do Mms, por exemplo algumas horas após?
É uma pergunta que eu também gostaria de conhecer melhor. 

O corpo precisa de antioxidantes naturais. Todos os alimentos contem antioxidantes, uns em quantidades maiores, outros em maiores.

É sabido que Jim Humble esteve na África para trabalhar na cura da Malária, e para isto utilizava o MMS em grandes quantidades por dose com o uso do suco de abacaxi fresco, mas quando utilizou o suco de laranja não funcionou. Então depende da interação. Alguns alimentos não reagem bem ao MMS e cortam seu efeito. Ainda não há estudos sobre quais alimentos interagem bem ou mal com o MMS, mas a minha indicação é guardar uma hora antes e depois de tomar o MMS para consumir qualquer alimento natural. Já os suplementos que contém antioxidantes devem ser evitados pois tem um tempo de atividade maior ou antioxidantes em maior quantidade.

O Mms quela histamina?
Não sei te informar isso, o que eu sei é que o MMS ajuda a desinflamar o corpo.

Ao ler o livro da Kerry, parece-me que a sugestão é o uso do Mms por longo período. Oxidar o corpo por tanto tempo não é arriscado? Qual sua experiência?
Eu não acho que o MMS vai oxidar o corpo, e sim as toxinas, metais pesados, microbioticos que o corpo não consegue eliminar... e não tenho observado malefício para a saúde.

O que é o gcmaf?
É uma proteína de transporte da vitamina D, que transforma o sistema imune muito mais eficiente e faz com que funcione muito melhor, tem efeito muito bom para câncer, autismo, e provavelmente para a maioria das doenças, mas não tenho muita experiência com o GCMAF

Quando é indicado o uso do gcmaf para autismo?
Até onde eu sei, em qualquer caso pode funcionar bem

Como adquirir o gcmaf no Brasil?
Existe o um site que se chama GCMAF.LA, que é da América Latina, e o produto vem direto do México. Mas não sei como funciona a questão da fiscalização de entrada no Brasil. Mas quem precisar, pode me contatar porque há outras formas de conseguir por esta empresa.

Qual a diferença entre gcmaf creme, injetável e sublingual ?
Até onde eu sei não existe muita diferença, mas como já disse, não conheço muito o GCMAF.

Qual a diferença entre Mms e CDs?
O MMS é solução de clorito de sódio que quando reage com um ácido pode ser fora do corpo ou então dentro do corpo quando reage com o ácido do estômago, e se produz dióxido de cloro. É um propulsor do dióxido de cloro no organismo

O CDS é o dióxido de cloro dissolvido em água, mas o produto final é o mesmo.
O CDS é muito difícil de ser utilizada, precisa ser muito bem refrigerada e tem muita perda de gás ao ser manuseada. Ao meu ver, o MMS é muito mais prático de ser utilizado em casa.


Alguns ativos usados no protocolo da Kerry são antioxidantes, como a serrapeptase, neem,... Isso não afeta o poder oxidativo do Mms? Caso não, pq não usar outros antioxidantes?
O Serrapeptase se usa no protocolo do Gregório, e tem uma separação de pelo menos 2 horas antes e depois. Já o neem se usa no protocolo de desparasitação, mas funciona da mesma forma, com 2 horas de separação.
Na minha opinião, produtos naturais separando 1 hora entre o uso do MMS não afeta, mas ainda não existem estudos sérios que observam quais substâncias são essas e qual tempo deve ser guardado, então por enquanto trabalhamos com o método de observação.

 É fato que Jean Humble toma mms por mais de 20 anos. Ele avalia a saúde dele através de exames?
Acredito que não, já que ele não faz exames médicos.

O CD deixa resíduo no corpo após muito tempo de uso?
Não, não deixa resíduo, pois o dióxido de cloro quando reage libera um átomo de cloro, e dois átomos de oxigênio, para mim isto não é resíduo.

Quanto tempo leva para o mms atingir a célula?
Depende de onde está a célula. Se estiver no estômago, muito pouco tempo. Já se estiver em um tecido um pouco mais profundo, pode demorar até semanas de uso constante.
Uma pessoa saudável pode tomar mms por quanto tempo? Qual a dosagem indicada?
Uma pessoa saudável pode tomar MMS por quanto tempo quiser. A dosagem depende da necessidade e da coragem, já que não tem um sabor muito gostoso.
O MMS não é um medicamento, então não há necessidade de indicação médica. Jim Humble orienta a tomar 6 gotas ao dia para manter a saúde, 3 vezes por semana, para menores de 60 anos. Para maiores de 60 anos é indicado todos os dias. Mas é somente uma orientação, é necessário avaliar as necessidades de cada um.

Por que o dióxido de cloro oxida bactérias nocivas e não oxida as benéficas ou mesmo as nossas próprias células? Como pode a substância química ser seletiva?
Nossas células não estão isoladas, elas estão formando tecidos, uma estrutura maior. Já as bactérias são seres unicelulares e mesmo que estejam em colônias não estão formando um corpo contínuo, o que faz muita diferença na atuação do dióxido de cloro. Mas a maior diferença é o PH, quanto mais baixo o PH, mais reativo é o MMS, e os nossos tecidos saudáveis tem o PH mais alto, mais alcalino, já as células cancerígenas, por exemplo, tem o PH mais baixo. As bactérias nocivas, são assim pelas excreções que são tóxicas e tem um PH ácido, o que faz o dióxido de cloro reagir.

Os vermes que saíram das crianças após fazerem enema, cujas fotos aparecem no livro, foram identificados? Quais os gêneros e espécies deles?
Ainda não foram identificados. Tem muitas especulações, mas são necessários mais recursos para identificar esses vermes.

Manuel, qual sua opinião sobre o alerta do ARI, que hoje é o instituto de maior relevância sobre tratamentos para o autismo:

Postura del ARI Instituto de Investigaciones del Autismo acerca del MMS

Advertencia por parte de médicos: El tratamiento con dióxido de cloro conocido como: “Solución Mineral Milagrosa” es no comprobada y potencialmente “seriamente dañina”
Preocupado por los informes de efectos secundarios de un tratamiento llamado MMS, el ARI se acercó a un grupo de médicos y les pedí que compartan sus pensamientos. Su respuesta:
Reconocemos que los padres pueden sentir urgencia cuando se enfrenta con un diagnóstico de autismo, que puede llevarlos a tratamientos desesperados como solución Mineral milagrosa (MMS, a.k.a. CD for chlorine dioxide, or ASEA).
Cualquier tratamiento médico que utiliza el "Milagro" en su etiqueta plantea serias dudas de fraude.
En particular, las sospechas presentan con MMS, un producto cuyo principal ingrediente tiene efectos secundarios dañinos conocidos.
Reconocemos que existen tratamientos fuera de lo establecido con documentación e información que intentarán padres y profesionales. Nosotros fuimos pioneros en el uso del tratamiento biomédico en autismo, sin embargo seguimos manteniendo que es critic considerer que cualquier tratamiento debe ser considerao razonablemente seguro antes de aplicarlo con los niños. No consideramos que el MMS cubre estos estándares, y viola el principal precepto de la Medician de “ Lo primero es NO hacer daño”
Mientras muchas familias pasan años tratando de desintoxicar a sus hijos, MMS introduce una toxina conocida en sus cuerpos. MMS tiene propiedades similares al blanqueador Clorox ®, que puede quemar la zona digestiva superior.
Los mucosos hilos que expulsan a los niños durante el tratamiento de MMS, que se han promocionado como gusanos (aunque esta afirmación no es compatible con análisis de laboratorio), método del cuerpo de protegerse del estrés oxidativo inducido en el tracto digestivo inferior( equivalente al sol de medio día en su capacidad de producir quemadura severa)
Simplemente no podemos saber lo que, eventualmente, podría dañar a largo plazo. Hemos visto severas deficiencias de minerales, malabsorción, pérdida de la flora benéfica y anemia en los pacientes sometidos a este tratamiento.
La interrupción del epitelio intestinal de los niños y flora podría tener consecuencias imprevistas para su sistema inmunológico. En algún momento más adelante en vida, pueden ser también un riesgo mayor para el esófago o estómago cánceres, entre otros temas.
Algunos padres de niños enfermos reportan mejoras en las heces, así como otros síntomas. ¿Esto significa MMS es un tratamiento efectivo? No necesariamente. Un fuerte impulso natural hacia la curación, es estimulada por el estrés. El ayuno, el esfuerzo físico al punto del agotamiento, privación del sueño, tortura y trauma físico y emocional severo forzan a reunir los recursos de las mitocondrias, los músculos, mente y alma a la altura de las circunstancias. Mientras que cualquier mejora temporal resultante puede parecer "milagrosa", hay maneras más seguras y con menor riesgo, para inducir una respuesta curativa.
Teniendo en cuenta estas cuestiones, desaconsejamos usar MMS en este momento. Esperamos que los padres serán siendo críticos ante afirmaciones de niños que se han recuperado o mejorado en ausencia de pruebas objetivas. También recomendamos a padres que deseen administrar MMS a sus hijos a informar a su médico para que los efectos secundarios puedan ser monitoreados.
Sidney Baker, MD; Nancy O'Hara, MD; Suruchi Chandra, MA; Ali Carine, DO; Dana Laake, RDH, MS, LDN; John Green, MD; Kelly M. Barnhill, MBA, CN, CCN; Maya Shetreat-Klein, MD; Vicki Kobliner MS RDN; and Elizabeth Mumper, MD

- Não acredito que saibam do que estão falando, não conhecem o MMS, e estão achando que é algo parecido com água sanitária, estão achando que é algo tóxico, e para quem escreveu não faz sentido que o cloro possa ser benéfico para a saúde porque não conhecem sobre o que estão falando, e estão falando em cima de uma ignorância.

Se o autismo for de ordem genética, o MMS trata?
Eu não acredito que o autismo seja de ordem genética. Pode ser que exista alguma predisposição, claro, mas não acredito que seja causado somente pelos genes. O MMS não modifica o DNA, o que ele faz é aumentar a imunidade, limpar, desintoxicar, purificar o corpo, eliminar micróbios que estão sobrecarregando a imunidade do corpo, eliminar metais pesados, então está limpando o corpo, e isso pode fazer com que diferentes genes, ligados à cura, se ativem.

Preparar água com sal, é o mesmo que tomar água do mar?
Não. O uso de nenhum sal pode ser um substitutivo para a água de mar, nem mesmo o sal de Guilandes, mesmo com as propriedades que ele possui. A água do mar tem muitos minerais que não estão presentes no sal. Se você não tiver um fornecedor confiável, pode retirar a água diretamente de um mar que não tenha esgoto próximo, sem poluição.

Tem idade mínima para o uso do MMS?
Não, não existe delimitação de idade.

O uso de antioxidantes na parte da noite pode interferir no tratamento com MMS?
Dependendo dos antioxidantes, pode atrapalhar, como já dito anteriormente, como os suplementos com vitamina C.

 Nós agradecemos imensamente a oportunidade de realizar esta entrevista tão enriquecedora com o colega Manuel Cátedra.